Pin-ups barbados

Pin-ups barbados

As garotas pin-up começaram a embelezar paredes nos EUA no início do século XX e viraram febre entre os soldados durante as duas guerras mundiais. As mocinhas de pele alva e batom vermelho, fotografadas ou desenhadas em poses esdrúxulas fazendo carinha de sapeca entraram no imaginário coletivo, e um revival das pin-ups nos anos 2000 incorporou também as tatuagens e um erotismo mais explícito nos corpos, caras e bocas das moçoilas.

 

Baralho com as Vargas Girls: séquissi. Imagem via Recycled Wares 

 

O fotógrafo estadunidense Rion Sabean teve a fantástica ideia de se apropriar da estética pin-up e registrar homens acompanhados de objetos do universo estereotipicamente masculino: moçoilos em poses ousadas fazendo carinha de safados em meio a ferramentas, churrasqueira e serra elétrica. O resultado é o impagável ensaio “Men-ups!”, com doze fotos, uma para cada mês do ano, prontas para serem pregadas na parede e satisfazer mulheres e homens (principalmente aquelas ou aqueles que curtem um barbado).

 

Todas as imagens por Rion Sabean via Flickr

 

“A sociedade define os sexos como se eles nascessem com traços inerentes e exclusivos que na realidade são impostos pela própria sociedade. Desde coisas pequenas como cor, roupas e até as poses, os sexos são forçados a aceitar ideais que não são inatos”, comenta Sabean em seu site.

 

 

Men-Ups! é um projeto com o objetivo de inverter os estereótipos criados pela sociedade, colocando as perguntas: por que uma pose é considerada sexual quando é uma mulher, mas não quando é um homem? Por que se considera cômico ou inquietante quando homens agem em maneiras socialmente consideradas ‘femininas’?”

 

 

Boas questões, muito bem ilustradas com as fotos do ensaio – que também escancaram o quanto é ridícula e ofensiva essa maneira sexualizada de representar as mulheres.

 

Gratidão às queridas Marina e Aline pela dica de post.

 

*

 

Samuel N09 já está nas bancas! Assine já e apoie a imprensa independente.